Uma apresentação de dança em versão funk do Hino Nacional, feita por alunos de uma escola pública da Paraíba, gerou polêmica em uma rede social. O vídeo gravado na 10ª Amostra Cultura, Científica e Tecnológica (ACCTEC) da Escola Estadual Senador Humberto Lucena, em Cacimba de Dentro, no Curimataú paraibano, foi publicado no Facebook e contava com mais de 29 mil compartilhamentos até esta terça-feira (16).
Veja aqui o link do vídeo.
Com a temática 'Ciência, Cultura e Sociedade', o evento aberto ao público e coordenado pelo professor de língua estrangeira Alan Oliveira, contou com apresentações de dança, música e teatro. No ano passado, já tinha sido apresentada uma versão em forró do Hino Nacional, segundo o docente, e sem nenhuma repercussão negativa. Desta vez, após o vídeo gravado na terça-feira (9), foram recebidas várias críticas, elogios e ameaças de internautas.
Entre os comentários postados na publicação, muitos leitores fazem comentários contrários à publicação, como "nunca pensei que isto pudesse acontecer ... Falta de respeito" e "Gente sem educação, sem respeito e sem cultura". Um internauta chega a dizer que "tinha que jogar uma bomba nessa escola de lixo".
Mas há também quem defenda a atividade justificando que "as pessoas devem respeitar opiniões, não achei nada demais usarem o hino com funk, isso é criatividade". "Nunca imaginei que no Brasil existia tanta gente preconceituosa e de mente pequena", diz outra internauta.
Segundo o professor, a escola não tem aula de música, mas ele sempre se envolveu com a questão cultural. Ele diz que pegou a versão da internet e criou a dança, ele e os alunos, em apenas um dia. "Sem intenção de polemizar, apenas trazer atenção dos alunos para o hino e quebrar o preconceito, com esse estereótipo de marginalização do funk. Tem muita gente criticando, páginas de humor compartilhando, pessoas ameaçando... Tivemos apenas a intenção de educar", explicou o professor Alan Oliveira.
O festival de artes no pátio da escola contou com apresentações de sapateado, street dance, balé, dança do ventre e até um monólogo teatral. Foi aberto ao público, com participação de convidados de escolas da cidade e de municípios circunvizinhos.
"A direção da escola me deu carta branca e os alunos gostam do ritmo, inclsuive eles mesmos incluiram o 'passinho' na apresentação. A gente esperava críticas, mas não dessa forma. Nossa escola quebra muito o preconceito e a maioria dos alunos ama o funk. Na mesma hora tive a ideia, tenho muitas outras ideias para a área cultural. Na escola há muitos talentos da dança, da música, do teatro... A cada dia conheço um novo talento e a gente tem que expor esses talentos", destacou.
Conforme a lei federal nº 5.700/71, que dispõe sobre a forma de apresentação dos Símbolos Nacionais, não é permitida a execução de arranjos artísticos instrumentais do Hino Nacional que não sejam autorizados pelo Presidente da República, ouvido o Ministério da Educação e Cultura.

G1

Candidatura de Cunha Lima foi liberada por seis votos a um. Ministra Maria Thereza Moura votou contra a liberação da candidatura - leia mais...

Tribunal Superior Eleitoral (TSE) considerou que o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), candidato ao governo da Paraíba nas Eleições 2014, é elegível. A decisão pela liberação da candidatura do tucano foi tomada na sessão da noite desta terça-feira (16), quando seis dos sete ministros da Corte optaram por rejeitar o recurso contra a decisão do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), que já havia liberado Cunha Lima para concorrer nas Eleições 2014.
O processo começou a ser julgado na última quinta-feira (11), mas a decisão foi adiada para esta terça-feira por pedido de vista da ministra Luciana Lóssio. Antes da interrupção, o relator do processo, ministro Gilmar Mendes, negou provimento ao recurso ao entender que o 2º turno não configura uma nova eleição propriamente dita, concluindo que a data do primeiro turno é o marco para decisões referentes ao pleito em questão, assim, o prazo para inelegibilidade estaria exaurido em 5 de outubro de 2014 e o senador Cássio Cunha Lima estaria apto a concorrer ao pleito deste ano. Isto porque o primeiro turno das eleições de 2006 ocorreu em 1º de outubro.
Além de Gilmar Mendes, os ministros Dias Toffoli, João Otávio Noronha e Tarcísio Vieira de Carvalho também negaram provimento ao recurso já na última quinta-feira. Na sessão desta terça-feira, após a análise do processo, a ministra Luciana Lóssio acompanhou o relator e votou pela liberação da candidatura, embora ainda tenha levantado questionamentos quanto ao prazo a ser contado para determinar a inelegibilidade. O ministro Luiz Fux também votou nesta terça-feira e seguiu o entendimento do relator. Apenas a ministra Maria Thereza de Assis Moura votou pela inelegibilidade de Cunha Lima.
g1

Os candidatos ao governo do estado Cássio Cunha Lima (PSDB) e Ricardo Coutinho (PSB) polarizaram o debate realizado pela TV Itararé, em Campina Grande, na tarde desta segunda-feira (15).
 
No confronto direto, os dois protagonizaram um embate com questões pessoais marcado pela pensão da ex mulher do senador Cássio e pela briga de casal envolvendo o governador candidato a reeleição Ricardo Coutinho. 
 
A falta de bom senso provavelmente só não se prolongou por mais tempo porque o candidato Major Fábio chamou a atenção dos companheiros de disputa do PSB e do PSDB para não cansarem o eleitor. Tárcio e Antônio Radical (PSTU) atacaram as gestões de Cássio e de Ricardo.

Vital do Rego Filho do PMDB não compareceu, em nota ele alegou que estava em compromisso do senado. 
 


O ministro Henrique Neves, relator do recurso do REGISTRO de candidato do deputado federal Wilson Filho (PTB), encaminhou o processo para julgamento do pleno do Tribunal Superior Eleitoral, que deve entrar em pauta na sessão ordinária desta terça-feira (16).

A candidatura de Wilson Filho foi indeferida pelo Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba com base em irregularidades anotadas na prestação de contas da última campanha para Câmara Federal. Contra o parlamentar pesa uma condenação a respeito do excesso em doações no valor de R$ 1,5 mil feita pela empresa Terradina da qual o deputado é sócio.

O subprocurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, já opinou pelo desprovimento do recurso impetrado pelo deputado.

PORTAL CORREIO 
Na sessão da semana passada, quatro ministro votaram contra o recurso e pela manutenção da candidatura do 'tucano'; faltam votar três ministras...

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deve retomar, nesta terça-feira (16), o julgamento do Recurso Ordinário Nº 56635 impetrado pela presidente do PRP, Maria da Luz Silva, por Rafael de Lima Rodrigues, Coligação 'A Força do Trabalho' e pelo Ministério Público Eleitoral contra o REGISTRO de candidatura de Cássio Cunha Lima (PSDB) a governador da Paraíba. 
 
Na sessão da semana passada, quatro ministro votaram contra o recurso e pela manutenção da candidatura do 'tucano'. O primeiro deles foi Gilmar mendes, relator do processo. Seguiram o voto do relator Dias Tóffoli, presidente do TSE; João Otávio Noronha e Tarcisio Vieira Neto. 

O pedido de vistas foi levantado pela ministra Luciana Lóssio, seguida por Rosa Weber e Laurita Vaz. Para uma mudança no placar favorável a Cássio, as três ministras teriam que votar pela impugnação e ainda um dos ministros que já votou teria que mudar seu posicionamento.  
 
No último dia 11 o ministro Gilmar Mendes terminou a leitura de seu voto e referendou o entendimento do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba, considerando que Cássio é elegível porque o prazo de inelegibilidade começaria a contar a partir do primeiro turno das eleições.
 
Gilmar leu trecho do voto do relator do processo no TRE, juiz Rudival Gama, e votou pela confirmação do REGISTRO do senador tucano, negando provimento ao recurso. "Eventual realização de segundo turno não pode ser considerada marco inicial e consistiria em inconstitucionalidade acatar o recurso dos recorrentes", disse Gilmar.

PORTALCORREIO 
Os bancários poderão suspender os serviços por tempo indeterminado a partir da próxima sexta-feira, caso os bancos não apresentem uma proposta às reivindicações dos bancários. No Dia Nacional de Luta da Categoria, o Sindicato dos Bancários da Paraíba, orientado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), realizou em João Pessoa um ato público para cobrar por respostas. A manifestação teve início às 10h, em frente ao condomínio do Banco do Brasil, na Praça 1817, mas seguiu itinerante por diversas agências da capital durante o expediente bancário.

Com orquestra de frevos, faixas, cartazes e fogos de artifício, os bancários cobram respostas a uma pauta extensa, que vai desde soluções por mais empregos, fim das metas abusivas e da terceirização fraudulenta dos serviços, além de melhores condições de saúde e segurança nos locais de trabalho, conforme explicou o presidente do Sindicato dos Bancários da Paraíba, o bancário Marcos Henriques. “Não se pode conceber que a data base já passou há muito tempo e não conseguimos dialogar com os banqueiros”, complementa.

O presidente Marcos Henriques disse que apesar das manifestações de ontem não terem atingido os serviços bancários, o atendimento deverá ser suspenso após a sexta-feira, se não houver avanço. “Após oito rodadas de negociações, nós não tivemos respostas. Estamos querendo mostrar aos banqueiros que se não tivermos proposta logo iremos parar e fazer nosso calendário de greve, independente de propostas”, ameaçou o presidente do sindicato, Marcos Henriques.

O Dia Nacional de Luta foi uma deliberação da 16ª Conferência Nacional dos Bancários, ocorrida de 25 a 27 de julho, em Atibaia (SP), buscando combater as demissões, a rotatividade, os projetos de terceirização, as metas abusivas e o assédio moral, a insegurança e as discriminações nos bancos.
Segundo o sindicato, a pauta de reivindicações dos bancários foi entregue à Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) no dia 11 de agosto. As primeiras negociações com a Fenaban aconteceram nos dias 19 e 20 de agosto, quando os banqueiros deram negativa às reivindicações dos bancários.

Após essas reuniões, foram realizadas outras quatro rodadas de negociação com a Fenaban (19 e 20 de agosto – Saúde e Condições de Trabalho; 27 e 28 de agosto – Igualdade de Oportunidade e Segurança Bancária; 3 e 4 de setembro – Emprego e Remuneração/PCS e piso; 10 e 11 de setembro – Remuneração/Índice, PLR e auxílios), três rodadas específicas com o BB, três com o BNB, quatro com a Caixa e outras com alguns bancos privados e com os bancos regionais. “Todas sem avanço. Por isso realizamos manifestações e protestos em todo o país, intensificando a mobilização”, disse Henriques.

JORNAL DA PARAIBA 
Com 60 anos de vida pública, o candidato a senador pelo PMDB José Maranhão diz que não tem nenhum interesse em se aposentar. No Senado, se eleito no pleito de outubro próximo, o peemedebista pretende buscar um espaço mais privilegiado para o Estado, que segundo ele tem sido esquecido no orçamento da República. Em entrevista exclusiva concedida ao JORNAL DA PARAÍBA, José Maranhão critica o "salve-se quem puder" na política-partidária e nas eleições, e defende o voto facultativo, dentre os temas discutidos na reforma política. Sobre as eleições para governador, Maranhão afirma que o PMDB não poderia deixar de ter candidatura própria, e que o partido está focado no 1º turno. "A eleição de segundo turno é outra eleição", disse.

JORNAL DA PARAÍBA - O senhor foi governador e senador da República. Nesta eleição está disputando mais uma vez o cargo de senador, que tem um mandato de 8 anos. O senhor pensa em se aposentar da política?

JOSÉ MARANHÃO - Não. Eu vou chegar ao Senado da República não para buscar uma aposentadoria - até porque, se quisesse, já estaria aposentado - mas pretendo chegar ao Senado para representar bem meu Estado. Isto significa levar um acervo de experiências que obtive ao longo de uma vida pública extensa: 60 anos, incluindo aqueles em que tive meus direitos políticos cassados. Por isso, me considero habilitado. O Senado não é um lugar para se aprender, mas para pôr em prática as experiências auferidas ao longo de uma trajetória. A Paraíba me conhece e sabe que não estou aspirando a uma aposentadoria. E os cargos que exerci, até hoje, à exceção de secretário de Agricultura do Estado, foram conquistados com o endosso popular.

JP - Em se elegendo senador, o que o senhor pretende fazer pela Paraíba? Quais são os seus projetos em defesa dos interesses do Estado e da Nação?

JOSÉ MARANHÃO - Buscarei conquistar um espaço mais privilegiado para meu Estado, que tem sido esquecido no orçamento da República. Basta olhar para a esquerda ou para a direita, para outros Estados como Pernambuco ou Rio Grande do Norte. Basta ver que fomos excluídos da Ferrovia Transnordestina, da política de atração de grandes indústrias e assim por diante. Em relação ao país, a prioridade é a modernização do ensino no nível médio e superior. O modelo atual está defasado. O mundo hoje exige uma competitividade, que só pode ser obtida pela ênfase no ensino tecnológico e científico. No ensino médio, é preciso ampliar o ensino tecnológico e profissionalizante, preparando os jovens para o mercado de trabalho, cada vez mais exigente.

JP - Fala-se muito na reforma política. O que o senhor pensa sobre o tema e quais as propostas que o senhor defenderia se eleito para o Senado?

JOSÉ MARANHÃO - A reforma política passa pela reforma eleitoral. O modelo atual está impregnado de vícios e práticas que maculam as eleições. Perdeu-se o sentido da disciplina partidária e do compromisso programático. É um “salve-se quem puder”. É preciso encontrar uma fórmula eficaz para o financiamento público de campanhas, para que pessoas menos afortunadas tenham o mesmo espaço na disputa eleitoral. Defendo o voto facultativo. É importante que o eleitor realmente queira escolher seus candidatos. É preciso modificar o sistema de eleição para as casas legislativas, elegendo-se em cada partido aqueles que obtiverem mais votos. Defendo, também, a coincidência de mandatos, de vereador a presidente, sem reeleição, com 5 anos de mandato.
JP - O que o senhor acha melhor: o Senado ou o governo do Estado? O senhor ainda sonha em voltar a governar a Paraíba?

JOSÉ MARANHÃO - Foram duas experiências diferentes. O mandato de senador confere aos parlamentares a força resultante da igualdade da representação entre todos os Estados, diferente do que ocorre na Câmara. No Poder Executivo é completamente diferente. Nele, temos a sensação de chegar mais perto do ideal de bem servir à coletividade, já que seu poder de realização concreta é maior. É da natureza do presidencialismo. Penso que já cumpri meu papel no Executivo e, modéstia à parte, penso que o cumpri bem. O que sempre me inspirou em todos os cargos que exerci foi a prestação do bom serviço à coletividade. Portanto, não diferencio os cargos do Executivo, dos do Legislativo. Ambos me dão a sensação do dever cumprido.

JP - Que projetos o senhor apresentou quando esteve no Senado? Existe alguma lei que teve a marca do senador José Maranhão?

JOSÉ MARANHÃO - Tive a honra de presidir a mais importante comissão do Congresso, a Comissão Mista de Orçamento. Nela, pilotei não apenas um projeto, mas o orçamento do país, que concretiza todos os projetos. Isso não é pouco. Detalhe importante: quando presidi a CMO, a Lei de Diretrizes Orçamentárias da República foi entregue no prazo estabelecido pela Constituição pela primeira vez. Batemos um recorde que ajudou a garantir recursos abundantes, para que a Paraíba pudesse realizar mais obras. Fomos elogiados por toda a imprensa nacional, porque conseguimos alocar recursos sem a CPMF, que era a base de sustentação do SUS. Essas conquistas só são possíveis quando há experiência. Eu sei como o Senado funciona.

JP - Como o senhor define o seu eleitor? Quem o senhor acha que vota na sua candidatura?
JOSÉ MARANHÃO - O meu eleitor é o autêntico cidadão paraibano que exige honestidade, mãos limpas, coerência, seriedade, experiência e compromisso com o futuro do nosso Estado. E é esse eleitor que vai definir o processo, porque ele sabe diferenciar entre aqueles que querem exercer um mandato em benefício da sociedade, daqueles que querem exercer um mandato apenas por carreirismo e oportunismo político.
JP - O PMDB, sob o seu comando, chega à eleição de 2014 isolado, sem conseguir fazer coligação com nenhum partido. O que aconteceu com o partido, que governou o Estado por mais de uma década?

JOSÉ MARANHÃO - O PMDB na Paraíba continua e continuará como um partido do povo. O grande compromisso do PMDB é com o povo da Paraíba. Por isso é que o meu nome como candidato a senador vem liderando todas as pesquisas até o PRESENTE. O grande partido da minha candidatura é o povo da Paraíba.

JP - O senhor acha que foi a melhor saída para o PMDB apresentar uma candidatura de última hora, como a de Vitalzinho, para disputar o governo do Estado?
JOSÉ MARANHÃO - O PMDB não poderia deixar de ter candidatura própria. O nome escolhido pelo partido é um nome de expressão. Vital do Rêgo é médico e advogado. E ninguém pode duvidar que seu desempenho no Senado da República é brilhante. Basta acompanhar sua atuação destacada no plenário e nas comissões técnicas. Vitalzinho ocupou a Comissão de Orçamento, a mais importante do Senado Federal, e agora preside a Comissão de Constituição e Justiça.

JP - Caso o PMDB não passe para o segundo turno na eleição para governador, que caminho o partido deverá tomar?

JOSÉ MARANHÃO - A eleição de segundo turno é outra eleição. No momento, estamos focados no primeiro turno. Temos uma candidatura competitiva e com boas propostas. Via de regra, os partidos que não participam com candidaturas próprias apoiam um dos nomes na disputa final. Para responder à pergunta, se essa for a hipótese, o PMDB vai decidir democraticamente, reunindo seus quadros, sobretudo aqueles que estão representando os partidos pelos mandatos que exercem, e indicar qual será sua posição. 
JP - O senhor enfrenta adversários do porte de Wilson Santiago e Lucélio Cartaxo. O que diferencia o senhor dos seus 
concorrentes?


JOSÉ MARANHÃO - Ninguém é bom juiz em causa própria. Eu estou em jogo. Evidentemente que eu não vou me subestimar, nem me superestimar. Prefiro dizer que quem estabelece essa diferença é o povo. E eu confio no povo.

jp
A Universidade de São Paulo ficou na 132ª posição no QS World University Ranking 2014, divulgado ontem (15). O resultado representa queda de cinco posições em relação ao ano passado, quando a instituição havia ficado na 127ª posição. Ao todo, 22 universidades brasileiras estão entre as 800 melhores do mundo: 14 são federais, cinco estaduais e três particulares.

Entre as 10 melhores do ranking, seis são americanas e quatro britânicas. O Instituto Tecnológico de Massachussets (MIT), que fica nos Estados Unidos, ocupa a primeira posição, seguido da Universidade de Cambridge e da Imperial College, ambas situadas na Inglaterra.

Quando comparada apenas a instituições da América Latina, a USP ocupa a segunda posição doranking, com 98,2 pontos, atrás apenas da Universidade Católica do Chile. Outras cinco universidades brasileiras figuram entre as 10 mais bem posicionadas entre as latino-americanas: a Universidade Estadual de Campinas (3ª), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (4ª), a Universidade Estadual Paulista – Unesp (9ª), e a Universidade Federal de Minas Gerais (10ª).

No ranking das 200 melhores instituições localizadas nos países do bloco Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), apenas duas brasileiras estão entre as dez primeiras: a Universidade Federal de São Paulo (7º), e a Universidade Estadual de Campinas (9º). A primeira entre os Brics é a Universidade de Tsinghua, na China.

QS World University Ranking tem reconhecimento mundial e é realizado anualmente desde 2004. A metodologia de pesquisa considera a reputação da universidade na visão dos estudantes e dos empregados; a estrutura da instituição, incluindo a média de estudantes por professor; as citações em trabalhos de pesquisa e a presença de alunos e colaboradores internacionais.


Confira a lista das instituições brasileiras no ranking QS 2014:

Universidade de São Paulo (USP) – 132 lugar
Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – 206 lugar
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) – 271 lugar
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) e Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - 421-430*
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) - 451-460
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) - 471-480
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) - 501-550
Pontificia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) – 551-600
Universidade de Brasília (UnB) – 551-600
Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) - 551-600
Universidade Federal da Bahia (Ufba) – 601 - 650
Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) – 651-700
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) – 651-700
Universidade Federal do Paraná (UFPR) – 651-700
Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) – 701-800
Universidade Estadual de Londrina (UEL) – 701-800
Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) – 701-800
Universidade Federal de Viçosa (UFV) – 701-800
Universidade Federal do Ceará (UFC) – 701-800
Universidade Federal do Pernambuco (UFPE) – 701-800
Universidade Federal Fluminense (UFF) – 701-800

*a partir da posição 400, o ranking situa a universidade em um intervalo
Pesquisa Vox Populi, encomendada pela Rede Record, mostra a candidata Dilma Rousseff (PT) na liderança com 36% das intenções de voto para presidente da República. A candidata pelo PSB, Marina Silva, aparece com 27% das intenções e Aécio Neves (PSDB) com 15%. Na última pesquisaVox Populi, Marina tinha 28% das intenções de voto. Os outros dois candidatos mantiveram as mesmas porcentagens.

Brancos e nulos somam 8% e 12% não souberam indicar um candidato ou não quiseram responder. Os candidatos Luciana Genro (PSOL) e Pastor Everaldo (PSC) tiveram 1% das intenções de voto cada um. Eduardo Jorge (PV), Levy Fidelix (PRTB), Zé Maria (PSTU), Eymael (PSDC), Mauro Iasi (PCB) e Rui Costa Pimenta (PCO) tiveram menos de 1% das intenções.

O Vox Populi fez duas simulações de segundo turno. Em uma disputa entre a candidata Marina Silva e Dilma Rousseff, Marina teria 42% das intenções e Dilma, 41%, o que configura um empate técnico, devido à margem de erro do levantamento. Brancos e nulos somariam 11% e 6% seriam os indecisos.

Em uma disputa entre Dilma e Áecio, a candidata do PT venceria com 47% das intenções contra 36% do candidato tucano. Os votos brancos ou nulos seriam 12% e os indecisos, 5%.
O Vox Populi também divulgou avaliação do governo. Os que avaliaram o governo como ótimo ou bom somaram 38%. Aqueles que avaliaram como regular somaram 39% e aqueles que avaliaram como ruim ou péssimo foram 23%. Os que não souberam ou não responderam totalizam 1%.

Foram feitas 2 mil entrevistas em 147 cidades. O levantamento foi feito no sábado (13) e domingo (14). A margem de erro é 2,2 pontos percentuais e o número de REGISTRO na Justiça Eleitoral é BR-00632/2014.

AGENCIA BRASIL 
Cerca de 805 milhões de pessoas no mundo, uma em cada nove, sofrem de fome crônica no mundo, segundo o relatório O Estado da Insegurança Alimentar no Mundo (Sofi 2014, na sigla em inglês), divulgado hoje (16) em Roma, na Itália, pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

O estudo confirmou tendência positiva observada nos últimos anos de redução da desnutrição mundialmente: o número de pessoas subnutridas diminuiu em mais de 100 milhões na última década e em mais de 200 milhões desde o período1990-1992.

Segundo o documento, a redução da fome nos países em desenvolvimento significa que a meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) de diminuir à metade a proporção de pessoas subnutridas até 2015 pode ser alcançado “se apropriados e imediatos esforços forem intensificados”.

Até o momento, 63 países em desenvolvimento alcançaram o objetivo, entre eles o Brasil, e outros seis estão a caminho de consegui-lo até 2015. O documento incluiu este ano sete estudos de casos, entre eles o Brasil. De acordo com o levantamento, o Programa Fome Zero, que colocou a segurança alimentar no centro da agenda política, foi o que possibilitou o país a atingir este ODM. O estudo também destaca os programas de erradicação da extrema pobreza, a agricultura familiar e as redes de proteção social como medidas de inclusão social no Brasil

O relatório é uma publicação conjunta da FAO, do Programa Mundial de Alimentos (PMA) e do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (Fida).

“Isto prova que podemos ganhar a guerra contra a fome e devemos inspirar os países a seguir adiante, com a ajuda da comunidade internacional se for necessário”, dizem, no relatório, o diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva, o presidente do Fida, Kanayo Nwanze, e a diretora executiva do PMA, Ertharin Cousin. Eles ressaltaram que “substancial e sustentável redução da fome é possível com comprometimento político”.

O documento ressaltou que o acesso a alimentos melhorou significativamente em países que experimentaram progresso econômico, especialmente no Leste e Sudeste da Ásia. O acesso à comida também aumentou no Sul da Ásia e na América Latina, mas principalmente em países que têm formas de proteção social, incluídos os pobres no campo, segundo o estudo.

No entanto, o relatório apontou que apesar do progresso significativo geral, ainda persistem várias regiões que ficaram atrás. Na África Subsaariana, mais de uma em cada quatro pessoas continua com fome crônica. A Ásia abriga a maioria dos famintos – 526 milhões de pessoas. A América Latina e o Caribe são as regiões que fizeram os maiores avanços na segurança alimentar.

Como o número de pessoas subnutridas permanece alto, os chefes das agências reforçaram a necessidade de renovar o compromisso político para combater a fome por meio de ações concretas e encorajam o cumprimento do acordo alcançado na cúpula da União Africana, em junho, de acabar com a fome no continente até 2025.

Os líderes das organizações destacaram que a insegurança alimentar e a desnutrição são problemas complexos que devem ser resolvidos de maneira coordenada e apelam aos governos para trabalhar em estreita colaboração com o setor privado e a sociedade civil.

O relatório reforça que a erradicação da fome requer o estabelecimento de um ambiente propício e um enfoque integrado, que incluam investimentos públicos e privados para aumentar a produtividade agrícola, o acesso à terra, aos serviços, às tecnologias e aos mercados, além de medidas para promover o desenvolvimento rural e a proteção social dos mais vulneráveis.

AGENCIABRASIL
A 6º edição do Festival do Mel acontece entres os dias 19 e 20 de setembro na cidade de São José dos Cordeiros. Além da programação social que está recheada com grandes atrações musicais a prefeitura promoverá exposições sobre a apicultura e áreas afins em palestras e oficinas realizadas durante os dias de festa. 

Na quinta-feira (18), a programação tem início com o tradicional Concurso da Garota do Mel e a Mini Maratona do Mel, concursos que já estão incluídos oficialmente no evento. "Estamos ansiosos para realização de mais uma edição deste evento comprometido com a classe apicultora e com todos os cordeirenses. A  cada ano movimentamos a economia local e proporcionamos para os apicultores a oportunidade de discutir temas relevantes na área em que atuam. Convido toda a população do Cariri a se fazer presente para prestigiar um dos maiores festivais da região", afirma Fernando Queiroz.   

Na sexta-feira (19), a programação técnica será iniciada com a abertura oficial da 6º edição do Festival do Mel que contará com palestras as quais apresentarão discussões importantes para os apicultores como diversificação da produção apícola com foco na apitoxina, mortalidade das abelhas devido o uso de agrotóxicos e apiterapia clínica. 

Dentro da programação do Festival, também irá acontecer o 1º Encontro dos presidentes de associações apícolas e melíponas da Paraíba com o tema "Importância da Federação Paraibana de Apicultura e Meliponicultura no desenvolvimento da atividade no estado".  

Outro ponto forte nesta edição do Festival do Mel são as oficinas sobre a Importância Ambiental e econômica da Criação de Abelhas sem ferrão na região do semiárido (Meliponicultura),  Artesanato com Cera e Produção de Própolis no Semiárido. 

SEXTA-FEIRA - 19/09/14

08:00 AS 09:00 HS - Inscrição

09:00 AS 09:30 HS - Abertura Oficial do Evento

09:30 AS 12:00 HS - PALESTRA
TEMA: DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO APÍCOLA COM FOCO NA APITOXINA.
PALESTRANTE: JOAZ FERREIRA DA SILVA (Apicultor, Coordenador do Núcleo de Apicultura da COOAFES/RN e Palestrante na Área de Apitoxina)
12:00 AS 14:00 HS ALMOÇO

14:00 AS 16:00 HS

SALA 1 - Importância Ambiental e econômica da Criação de Abelhas sem ferrão na região do semiárido (Meliponicultura)
LOCAL: Colégio Estadual Bartolomeu Maracajá
Instrutor: Leon Denis Batista do Carmo (EMEPA/SENAR/PB) 

SALA 2 - Artesanato com Cera
Instrutores: Professor Josenildo Quirino Dias (UFPB/SENAR-PB) e Cristina Barbosa de Sousa (Técnica do CRAS de São José dos Cordeiros)
LOCAL: Colégio Estadual Bartolomeu Maracajá
                
SALA 3 - Produção de Própolis no Semiárido
Instrutor: Professor Joaquim Efigênio Maia Leite (EMEPA/SENAR-PB)
LOCAL: Colégio Estadual Bartolomeu Maracajá

SÁBADO - 20/09/2014
09:30 AS 10:00 HS - INSCRIÇÕES

10:00 AS 11:00 HS - PALESTRA
TEMA: MORTALIDADE DAS ABELHAS DEVIDO O USO DE AGROTÓXICOS.
PALESTRANTE: MAURIZETE CRUZ (Professora da UFPB Campus de Bananeiras com Mestrado em Produção de Animais e Especialização em Apicultura)

11:00 AS 13:00 HS - 1º ENCONTRO DOS PRESIDENTES DE ASSOCIAÇÕES APICOLAS E MELÍPONAS DA PARAÍBA E IMPORTÂNCIA DA FEPAM (FEDERAÇÃO PARAIBANA DE APICULTURA E MELIPONICULTURA) NO DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE NO ESTADO.
PALESTRANTE: JOAQUIM EFIGÊNIO MAIA LEITE (Técnico da EMEPA/PB e Vice-Presidente da FEPAM)

13:00 HS - ALMOÇO

14:00 HS - ESPAÇO APITERAPEUTA (PALESTRA/TERAPIA)
 TEMA: APITERAPIA CLÍNICA 
( Área dos Stands)
PALESTRANTE: EDIVALDO FERREIRA PACHECO FILHO (Apicultor desde 1984, curso de apicultura pela UNB(Brasília/DF) e Apiterapeuta Clínico desde 2006, curso de Apiterapia pelo INLA( Instituto Latino Americano de Apiterapia(Chile) e Membro da Sociedade Brasileira de Apiterapia).
OBS: Após a palestra, terá apresentação prática da APITERAPIA na área dos Stands. 

ASCOM
DURANTES A SOLENIDADE PESSOAS ILUSTRES TAMBÉM RECEBERAM TITULOS DE CIDADÃO - LEIA MAIS 

O município de Salgadinho esteve em festa na noite deste sábado 13. Em solenidade ocorrida no ginásio O Moraisão, que contou com a presença de autoridades locais, a exemplo da prefeita Débora Cristiane, mais de 200 habitantes receberam certificados de conclusão de cursos técnicos ministrados pelo Sebrae, oferecidos pela Prefeitura através da Casa do Empreendedor.
Após a abertura do evento com os hinos Nacional e Municipal, foi exibido um vídeo do Programa Sebrae nos Territórios da Cidadania, com experiências empreendedoras de várias regiões paraibanas, inclusive de Salgadinho, que vem se desenvolvendo positivamente a partir da qualificação profissional, com a busca do conhecimento.

Amélia Guimarães, consultora do Sebrae proferiu palestra “É esse meu lugar” enfocando justamente essa necessidade de busca pelo conhecimento para que aconteça o desenvolvimento local. Citou o incentivo da Prefeitura com a implantação da Casa do Empreendedor, o apoio de Débora Cristiane que fez parcerias com o Sebrae, Senai para despertar o empreendedorismo da comunidade salgadinhense.

Os mais de 200 concluintes participaram de quinze cursos profissionalizantes. Mais de 50 pessoas abriram empresas recentemente, uma demonstração do entusiasmo hoje em Salgadinho pela possibilidade de uma economia que possa aproveitar bem suas potencialidades. 

A Câmara Municipal Casa Felizardo Trindade de Figueiredo fez a outorga de títulos de cidadania ao gerente regional Sebrae Patos, Aldo Nunes, e à analista técnico Fabíola Vieira, além de moções de aplausos ao Sebrae, à prefeita Débora Cristiane e às facilitadoras dos cursos.

Vários discursaram, a exemplo do ex-prefeito Damião Balduíno, prefeita Débora, do vice-prefeito José Bezerra, vereadores autores das proposituras, a coordenadora da Casa do Empreendedor, Edleusa Gomes (Dona Didi). Em todos eles as palavras foram de reconhecimento pela presença do Sebrae no município, levando o saber, principal ferramenta para o progresso, como também do empenho de todos os parceiros e concluintes, com o incentivo para que estes continuem na trilha para formação profissional.

A prefeita Débora destacou a lei geral como primeiro passo para a criação da Casa do Empreendedor. Falou do compromisso da Prefeitura em manter e ampliar a parceria com o Sebrae para que novos cursos cheguem à população.

Algo Nunes elogiou a postura do Executivo local de oferecer oportunidades para que as pessoas andem com suas próprias pernas, tornando-se empreendedores. Agradeceu a todos os parceiros, colaboradores, concluintes e à Câmara pela concessão do título de cidadania, gesto seguido por Fabíola Vieira, que destacou Dona Didi como grande líder e encorajadora do povo de Salgadinho a ire em busca de formação profissional.






VEJA MAIS FOTOS 





com politicas e negócios