EM DESTAQUE

Comissária sobrevivente defende piloto: "Morreu como herói"

A comissária de bordo sobrevivente do voo com o time da Chapecoense, Ximena Suárez Otterburg saiu em defesa do piloto Miguel Quiroga, que ...

Rádio Online

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

“Na época de Cássio se jogava dinheiro pelas janelas; envelopes eram apreendidos pela Polícia Rodoviária Federal”. Diz governador

“Na época de Cássio se jogava dinheiro pelas janelas; envelopes eram apreendidos pela Polícia Rodoviária Federal”. A observação foi feita nesta terça-feira (29) pelo governador Ricardo Coutinho (PSB) durante entrevista.

A declaração do governador deve-se as provocações feitas pelo senador Cássio Cunha Lima (PSDB), em sua entrevista ao Sistema Arapuan desta segunda-feira (28). Para Ricardo, o tucano “anda muito alterado”, tendo feita essa avaliação depois que CCL disse que o Estado estava “quebrado” ao se referir ao empréstimo de R$ 700 milhões aprovado pela Assembleia Legislativa.

Para o governador Ricardo Coutinho, “acho que esse momento de Cássio Cunha (Lima) é porque a conjuntura nacional começa a inverter os ventos ou ele ainda não assimilou o veredicto  e a vontade do povo e está se sentido isolado, sem resposta por parte da opinião pública”, comentou.

Adiante, Ricardo disse que o governo de Cássio foi pouco republicano na forma de fazer política. “Ele usava a estratégia de usar outros para encobrir aquilo que ele, pois tinha todo dinheiro do mundo, comprava pesquisas aos montes, comprava prefeitos, lideranças e sempre com a lógica de dizer que o adversário não sabia fazer política”.

Reiterou que “na época de Cássio se jogava dinheiro pelas janelas, envelopes eram apreendidos pela Polícia Rodoviária Federal e, sinceramente,  que tem um passado e um presente como esse devia ter muito cuidado para quando ocupar um espaço como esse não dizer bobagens”, destacou  o governador.

De acordo com Ricardo Coutinho,  “o líder do PSDB  e do golpe no Senado não teve a coragem de ir à Campina Grande puxar uma manifestação em favor do golpe porque não tinha ninguém para acompanhá-lo, mas preferiu a companhia de Bolsonaro (que não tem nenhum apreço pela democracia)  nas areias cálidas de Copacabana e diz com quem andas que eu direi que és”, destacou o governador ao afirmar que as inverdades que vêm sendo ditas por Cássio Cunha Lima de que o Estado está quebrado não tem nenhum eco. Do Paraiba.com.br
Proxima Anterior Inicio