EM DESTAQUE

JUAZEIRINHO: GOVERNO AVANÇA NA SEGURANÇA HÍDRICA E MANTÉM RITMO FORTE DE TRABALHO

Programa Água Doce na Barra  O governo da cidade de Juazeirinho avança como se não fosse terminar em 31 de dezembro. O ritmo de trabalh...

Rádio Online

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

PARECER DE GURGACZ ABRE PORTEIRA PARA ESCULHAMBAÇÃO NA GESTÃO

Para o líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (PE), o parecer do relator das "pedaladas fiscais" na Comissão Mista de Orçamento do Congresso, senador Acir Gurgacz (PDT-RO), "abre a porteira para a esculhambação na gestão pública". O governista Gurgacz, conhecido pela permanente bajulação ao governo, defende a aprovação das contas de 2014 da presidente Dilma, contrariando decisão unânime dos ministros do Tribunal de Contas da União (TCU).

“Querer perdoar os crimes fiscais e os artifícios de crime de responsabilidade cometidos pelo Governo Dilma, após o TCU recomendar a reprovação por unanimidade, é aniquilar a Lei de Responsabilidade Fiscal e abrir a porteira para a esculhambação na gestão pública”, disse ele.

Na avaliação de Mendonça, a argumentação do relator de que 14 governadores não cumpriram a meta fiscal e não se pode criar jurisprudência é absurda. “Inadmissível que para salvar Dilma, o TCU seja desmoralizado e a Lei de responsabilidade seja enterrada. O não cumprimento da meta fiscal é uma dos crimes cometidos pelo Governo petista”, afirmou Mendonça, citando as pedaladas fiscais, que foram atos ilegais cometidos para inflar projetos sociais e garantir a reeleição da presidente. “Isso é abuso do poder político e econômico”, completou.

O relator das pedaladas fiscais, senador Acir Gurgacz apresentou hoje à imprensa o seu relatório. As pedaladas fiscais são resultado de artifício usado pelo governo para atrasar repasses de recursos do Tesouro Nacional para bancos públicos como a Caixa Econômica, o Banco do Brasil e o BNDES, considerado crime. O TCU recomendou a reprovação das contas, por considerar que a presidente descumpriu no ano passado a Constituição e as leis que regem os gastos públicos. Como consequência disso, a União tem que pagar cerca de R$ 57 bilhões.
Proxima Anterior Inicio