EM DESTAQUE

JUAZEIRINHO: GOVERNO AVANÇA NA SEGURANÇA HÍDRICA E MANTÉM RITMO FORTE DE TRABALHO

Programa Água Doce na Barra  O governo da cidade de Juazeirinho avança como se não fosse terminar em 31 de dezembro. O ritmo de trabalh...

Rádio Online

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Ação da Petrobras volta a cair e vale menos de 5 reais

 O declínio dos preços do petróleo derrubou ontem Bolsas pelo mundo todo. Pior para a Petrobras, que amargou mais um dia de queda, puxando o principal índice acionário brasileiro para baixo.

O Ibovespa fechou em queda de 1,08%, aos 37.645 pontos. O giro financeiro foi de 5,246 bilhões.
Com os preços do seu principal produto em baixas históricas (barril na casa dos US$ 27), as ações da Petrobras desabaram durante o dia.

Enquanto a ação preferencial atingiu a mínima de R$ 4,26 às 13h53 (de Brasília), a ordinária teve sua mínima às 15h30, quando chegou a valer R$ 5,67.

No final, os papéis preferenciais, mais negociados e sem direito a voto, fecharam em queda de 4,93%, a R$ 4,43. As ações ordinárias se desvalorizaram em 3,57%, a R$ 5,93.

"O petróleo vem causando grande preocupação no mercado. Isso começou pela manhã na Ásia e a queda nas ações seguiu esses mercados", diz Pedro Galdi, analista de Whatscall.

Preocupações com a saúde do mercado chinês ainda afetaram as ações da Vale, que se mostrou volátil no pregão desta quarta.

Os papéis preferenciais da estatal se valorizaram em 1,27%, a R$ 6,95, enquanto as ordinárias subiram 0,32%, a R$ 9,21.

Além da Bolsa brasileira, os preços do petróleo também derrubaram índices europeus, americanos e asiáticos.

"As Bolsas afundaram no mundo todo, com o petróleo sendo o grande vilão mesmo", afirma Galdi.
As ações europeias tiveram queda com o principal índice europeu caindo para mínimas de 15 meses. O índice pan-europeu FTSEurofirst 300 caiu 3,30%, para 1.267 pontos, mínima desde outubro de 2014.

PETRÓLEO

Os preços do petróleo atingiram a mínima desde 2003, após a Agência Internacional de Energia, que aconselha países industrializados sobre política energética, alertar que os mercados de petróleo podem "se afogar em excesso de oferta" em 2016. O barril do Brent, negociado em Londres, caía 2,71%, para US$ 27,97, renovando as mínimas desde 2003.

O petróleo WTI, comercializado no mercado americano, valia US$ 26,55, se desvalorizando em 6,71%

Proxima Anterior Inicio