EM DESTAQUE

Comissária sobrevivente defende piloto: "Morreu como herói"

A comissária de bordo sobrevivente do voo com o time da Chapecoense, Ximena Suárez Otterburg saiu em defesa do piloto Miguel Quiroga, que ...

Rádio Online

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Falta de infraestrutura dificulta acesso às praias do Litoral Sul da PB

A servidora pública aposentada Maria Tereza do Patrocínio veio de Brasília, onde morava, para viver em João Pessoa. Nos últimos seis anos, desde a mudança para a capital paraibana, a aposentada aproveita para desvendar as belezas das praias do Estado. Na manhã de ontem, ela levou os irmãos para conhecer a praia de Coqueirinho, no Conde, Litoral Sul da Paraíba, mas nem tudo saiu como planejado. “Enfrentamos dificuldade no acesso à praia, a descida da ladeira”, reclama.

A obra de pavimentação e urbanização do acesso à praia de Coqueirinho, no momento, está parada, mas ela consta no Portal da Transparência, do Governo Federal, com a data de vigência de 31 de dezembro de 2011 até 30 de dezembro de 2015. “O acesso da ladeira começou a ser feito, mas foi abandonado. Tem uma parte calçada, mas quando chega à ladeira, que é o coração, está tudo abandonado”, relata o presidente da Associação dos Donos de Barracas na Costa do Conde, Marconi Almeida.

Outra reclamação constante dos turistas é que eles precisam pagar taxas de estacionamento em qualquer local da areia, porque flanelinhas fizeram vários estacionamentos privativos. “É um absurdo. Estamos em uma área pública, mas precisamos pagar só para ficar aqui", diz a estudante Priscila Nascimento.

“Há um monopólio dos flanelinhas na área de estacionamento. Em Tambaba organizamos tudo, todas as vagas de estacionamento, mas em Coqueirinho é complicado por causa do acesso. Tem turista que estaciona na ladeira, em tudo quanto é lugar”, afirma o secretário de Turismo, Esporte e Meio Ambiente do Conde, Alexandre Cunha. A solução, para ele, virá quando a obra do acesso ficar pronta. “Aí o próprio Governo do Estado vai fazer a remoção dos estacionamentos e realizar a urbanização do local”, prevê.  De acordo com Cunha, a obra, que é de responsabilidade do Departamento de Estradas de Rodagem da Paraíba (DER-PB), foi paralisada porque a empresa executora rompeu o contrato. Uma nova licitação foi feita e a obra deve recomeçar após o Carnaval.

Lixo também preocupa turistas

Na Praia de Jacumã, também no município do Conde, a maior preocupação dos turistas é a quantidade de lixo jogado de forma desordenada na natureza. A campinense Ana Maria Oliveira, que foi à praia com o neto, leva sempre uma sacolinha plástica para recolher o lixo do que consome  no lugar e se surpreendeu ao chegar em Jacumã. “É realmente muito lixo. O pessoal chupa picolé, garrafinha e joga tudo na areia. O pessoal tava falando aqui como essa praia já está poluída, o que é uma pena”, disse.

Já o também servidor público Marcos Soares, que veio de Minas Gerais, além de recolher o próprio lixo, costuma jogar fora os vestígios deixados pelos outros. “É uma questão de educação, né? Então se eles não fazem a parte deles, a gente tem que fazer. Pego os cocos e levo pro lixo e assim a gente segue”, conta, entre risos.

DER

O gerente de obras do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Aluísio Lucena Junior, confirmou que a empresa executora das obras de pavimentação em Coqueirinho de fato não estava cumprindo com as determinações contratuais, e o Governo do Estado rescindiu o contrato. Sobre a data da nova licitação - que deverá escolher uma outra empresa para concluir a obra -, o gerente explicou que o setor responsável pelos trâmites administrativos é a direção de planejamento de obras do órgão. A reportagem tentou entrar em contato com o responsável pelo setor, contudo, foi informada que ele se encontrava em uma reunião. Até o fechamento desta edição não obtivemos um posicionamento.

JP
Proxima Anterior Inicio