EM DESTAQUE

Comissária sobrevivente defende piloto: "Morreu como herói"

A comissária de bordo sobrevivente do voo com o time da Chapecoense, Ximena Suárez Otterburg saiu em defesa do piloto Miguel Quiroga, que ...

Rádio Online

domingo, 24 de janeiro de 2016

'Laços de família' na disputa pelo poder nas eleições municipais

A pouco mais de 8 meses das eleições municipais, os partidos intensificam as articulações para escolha de seus candidatos a prefeito. Na maioria das cidades da Paraíba, famílias tradicionais praticamente definiram consensualmente seus representantes, mas em outras não há acordo e parentes devem se enfrentar nas urnas em 2 de outubro deste ano. Um caso emblemático é Catolé do Rocha, no Sertão da Paraíba. Todavia, o futuro prefeito certamente terá o sobrenome Maia.

O atual prefeito Leomar Maia (PTB) já avisou que vai concorrer ao 5º mandato à frente do Poder Executivo . Pela oposição, o ex-prefeito Lauro Maia (PMDB) lançou ainda no São João ano passado, durante uma reunião, sua postulação contra o primo Leomar. Lauro acredita que este ano é a vez de disputar a prefeitura. Em 2008, ele aceitou a indicação e foi candidato a vice na chapa de Lauro Adolfo Maia, sendo derrotado. Em 2012, trabalhou para Paulo César de Araújo, mas também não obteve êxito. Em 2016, ele não abre mão de concorrer à prefeitura com o apoio do governador Ricardo Coutinho (PSB) e do senador José Maranhão (PMDB).

Já o prefeito Leomar Maia conta com o apoio do senador Cássio Cunha Lima (PSDB) e do deputado federal Marcondes Gadelha (PSC). Em Catolé do Rocha, os seis principais partidos – PSDB, PTB, DEM, PSB, PSD e PMDB- são comandados por integrantes da família Maia. Nas últimas décadas, os grandes adversários dos Maia foram os ex-deputados Frei Marcelinho (já falecido) e Francisco Evangelista. Esse não tem mais pretensões políticas na cidade.

Em Cubati, no Curimataú paraibano, a disputa poderá ser entre o atual prefeito Eduardo Dantas (PMDB) e o primo Gilton Dantas (PMN). Os primeiros provavelmente vão se enfrentar também em São João do Cariri. O ex-prefeito Beto Medeiros (PTB), como o apoio do pai, o ex-deputado Pedro Medeiros, deve bater chapa com Mateus Medeiros (PR), filho do ex-prefeito Marcone Medeiros. No município de Taperoá, poderá haver a revanche entre os primos com o prefeito Jurandi Gouveia Farias (PMDB), enfrentando Socorro Farias (PSDB). A briga deve ser intensa. 



Uma terapia de (ex)casal do Conde

No município do Conde, no Litoral paraibano, o casal Aluísio Régis/Tatiana Corrêa se separou judicialmente e briga agora pela pelo comando do Poder Executivo local. “Vou apresentar novamente meu nome à consideração dos condenses. O trabalho que iniciamos precisa ter continuidade”, afirmou o líder oposicionista, que dá nota zero à gestão da ex-mulher. 

Aluísio governou aquele município de 2004 a 2012. Ele diz que passou 96 meses na gestão e não atrasou um dia sequer o pagamento de funcionários, diferentemente, segundo ele, da atual gestão. Régis ainda denuncia a falta de medicamentos nos postos de saúde e os dentistas não atendem. 
Tatiana evita bater de frente com o ex-marido, mas seus aliados propagam que Aluísio Régis é ficha-suja e não pode disputar as eleições por conta de processos e contas rejeitadas. As acusações levaram Aluísio a convocar uma entrevista coletiva para apresentar cópia de certidão negativa emitida pelo Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba, datada do dia 31 de agosto, a qual informa que o mesmo está quites com a Justiça Eleitoral.

No meio da briga entre ex-marido e ex-mulher, surgiu a ex-secretária de Educação do Estado, Márcia Lucena (PSB). Ela tem o apoio do governo e também do Padre Severino, que foi candidato a prefeito em 2012 pelo PP. Ao anunciar o nome da pré-candidata, o Padre Severino conclamou todas as lideranças de oposição no Conde “a engrossarem fileiras pela reconstrução do município”.


LOTEAMENTO

A disputa entre parentes pelo poder local não deixa de demonstrar que os municípios da Paraíba vão continuar sendo um loteamento feudal de famílias políticas. A análise é do cientista político e professor da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) Fábio Machado. 

Para ele, podem ser apresentados até novos nomes, no entanto os postulantes a prefeito são de uma família tradicional que já administrou a cidade. “Eu não tenho dúvidas de que o feudo familiar vai continuar nas próximas eleições, pois aparelha a prefeitura e intervém na economia e vida social da cidade com práticas conservadoras e reacionárias”, ressalta Fábio.

O cientista político afirma que esta instrumentalização do poder político tem origem na família patriarcalcolonial, matriz da formação do Estado brasileiro, e que se reproduz através dos séculos. Para Fábio Machado, a permanência das famílias no poder é causada pela precariedade social.  

JP
Proxima Anterior Inicio