EM DESTAQUE

Conselheiro do TCE elogia processo de transição em Juazeirinho

O prefeito Jonilton Fernandes esteve em João Pessoa essa semana em reunião com o Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado - TCE - Dout...

Rádio Online

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Consumo de chocolates deve ser menor na Páscoa deste ano

JP-Menos famílias devem comprar chocolate na Paraíba  durante a Páscoa este ano. Isso é o que indica o levantamento do IPC Marketing Editora que estima um volume de consumo de produtos derivados do cacau de R$ 22,580 milhões no Estado. O número representa uma leve variação nominal de 0,83% sobre o valor registrado o ano passado, ou seja, bem inferior do que a reposição da inflação medida pelo IPCA (11,2%) dos últimos 12 meses.

Segundo o diretor do IPC Maps, Marcos Pazzini, com a inflação oficial acima de 10% e considerando os valores correntes do levantamento, chega-se à conclusão de que o desempenho da Paraíba deverá ser negativo. “Ou seja, há expectativa de corte de gastos da população com este item”.

Com isso, a dica para o empresário do setor, conforme ele, é oferecer produtos de valor mais baixo, uma vez que o consumidor está receoso com a crise econômica, evitando gastos desnecessários. 
“Se oferecer produtos com valores mais baixos, pode ser que atraia mais consumidores e consiga ganhar mercado. É um desafio e tanto, mas quem conseguir se destacar, vai se dar bem neste momento de crise”.

ADEQUAÇÕES

Há ainda quem se ajuste ao estoque de ovos e bombons ao perfil atual do consumidor, reduzindo a oferta. Este é o caso do empresário Ricardo Kretli, franquiado da Cacau Show  em João Pessoa. O empresário salientou que na Páscoa de 2015 houve uma queda de 5% na demanda comparado a 2014. A situação foi bem diferente do desempenho dos anos anteriores, em que tradicionalmente a empresa registrava alta anual de 15% a 20% nesta data.

Com a base menor de compras no ano passado, ele espera que em 2016 haja uma recuperação de 5% dessa perda e o estoque deve crescer no mesmo patamar. 

“Pelo comportamento do consumidor deste ano, estimamos que toda a queda já foi registrada no ano passado”, revelou. No entanto, se for comparar o estoque de 2016 com o de 2014, ano em que não se sentia o forte impacto da crise, o estoque será menor cerca de 5%.

DESEMPENHO

O levantamento do IPC mostrou que cinco dos nove Estados do Nordeste apresentaram situação de estabilidade este ano no consumo de chocolate para a Páscoa: Piauí (0,84%), Rio Grande do Norte (0,76%), Paraíba (0,83%), Alagoas (0,71%) e Sergipe (0,73%). 


Paraíba terá 2º menor consumo de chocolate

O valor da compra de chocolate  per capita na Paraíba na Páscoa, segundo projeção do IPC Maps, deverá ocupar o penúltimo lugar no ranking dos Estados do Nordeste, com um consumo de R$ 5,65 por pessoa, um custo aproximado ao de uma barra de chocolate de 130 gramas. O Estado ficou atrás apenas de Pernambuco com R$ 5,24. (Veja o quadro do volume total do potencial de compras  e per capita). 

Na lista das compras por consumidor, Sergipe vem em primeiro lugar (R$ 8,71) na região. “Acredito que este baixo valor tenha a ver com o hábito cultural do paraibano, agregado às altas temperaturas do Estado, que sugerem consumo de produtos mais frescos e menos 'quentes', como o chocolate”, destacou Pazzini. 

Na comparação entre as regiões brasileiras, observa-se ainda que o Nordeste deverá concentrar os menores valores de consumo de chocolate por cidadão per capita nesta Páscoa. Para Marcos Pazzini, esse quadro também está relacionado ao perfil climático da região, com temperatura quente ao longo do ano. “Percebemos que os maiores valores de consumo per capita são encontrados na região Sul, que tem as menores temperaturas do Brasil”.

No Brasil, esse mercado de consumo deverá movimentar R$ 2,698 bilhões em 2016. Em 2015, o movimento de chocolates e bombons foi de 2,670 bilhões, representando estabilidade ou queda se considerar o desconto da inflação. 


Proxima Anterior Inicio