EM DESTAQUE

Inep divulga hoje gabaritos da segunda aplicação do Enem

Os candidatos que fizeram a segunda aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no último fim de semana, dias 3 e 4, terão acesso ...

Rádio Online

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Imprensa internacional destaca trabalho de médica de CG

Em ampla reportagem na edição deste domingo (07), o Jornal  The  New York Times, um dos mais importantes jornais do mundo e o maior dos Estados Unidos, abriu espaço para uma extensa cobertura da propagação do vírus zika no Brasil e o esforço do País para contê-lo.

Na matéria, é citada a participação da médica do Instituto Elpidio de Almeida – ISEA, Adriana Melo, de Campina Grande, na descoberta da relação do vírus com a causa da microcefalia.

Recentemente, Adriana  já fora matéria no Jornal O Globo, com ampla reportagem, bem como na edição do Jornal Hoje, da TV Globo, onde ela falou sobre a questão e criticou a falta de recursos para pesquisas.

A matéria do NYT, que cita outros pesquisadores, ao comentar a tentativa de descoberta da ligação entre o vírus e microcefalia, refere-se a Adriana textualmente:

“A virada veio no início de novembro: Dr. Adriana Melo no Estado da Paraíba, ao norte do Recife, tinha desenhado líquido amniótico de uma mulher grávida e encontrou vírus Zika nele. Em seguida, o tecido cerebral de dois natimortos foi testado. Mais uma vez, Zika”.

Como todo mundo científico ligado na questão sabe, que foi a médica do ISEA, de Campina Grande, que tomou a iniciativa de coletar o líquido amniótico de duas gestantes e enviar para ser analisado no Rio de Janeiro, no Laboratório de Flavivírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). O resultado comprovou a suspeitar de Adriana da relação entre o vírus e a microcefalia.

Fonte: MAISPB

Créditos: MAISPB
Proxima Anterior Inicio