EM DESTAQUE

Conselheiro do TCE elogia processo de transição em Juazeirinho

O prefeito Jonilton Fernandes esteve em João Pessoa essa semana em reunião com o Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado - TCE - Dout...

Rádio Online

sábado, 20 de fevereiro de 2016

REVISTA DIZ QUE ATUAÇÃO DE LULA PARA ODEBRECHT ERA PAGA COM 'CONTRATOS FAJUTOS'

O ex-presidente Lula atuou fortemente como lobista da Odebrecht no exterior, é o que diz reportagem da edição desta semana da revista Época. De acordo com a revista, centenas de documentos das empresas de Lula, da Odebrecht e até do BNDES foram analisadas por peritos na investigação sobre as suspeitas de tráfico de influência internacional do petista para favorecer a Odebrecht. Após analisar telegramas diplomáticos, cruzar dados de viagens de Lula e de executivos da empreiteira, os procuradores concluiram que o ex-presidente cometeu sim o crime de tráfico de influência.

Para os procuradores, havia um “modus operandi criminoso” na atuação de Lula, dos executivos da Odebrecht e dos diretores do BNDES para liberar dinheiro do banco à empreiteira. O ex-presidente praticou o crime de tráfico de influência em favor da Odebrecht, vendeu sua “influência política” por R$ 7 milhões e o contrato de palestras com uma uma empresa do petista serviu para “dar aparência de legalidade” ao crime.

Sobre o BNDES, a matéria afirma que o banco aprovava com "velocidade incomum" os financiamentos que envolviam gestões de Lula e interessavam à Odebrecht, além de liberar dinheiro indiretamente à construtora.

Os investigadores confirmaram que Lula viajava em jatinhos da Odebrecht para se encontrar com os presidentes amigos e o pagamento era feito por meio de “palestras”, justificando, em tese, a necessidade das viagens. Relatos de diplomatas que acompanhavam as reuniões confirmaram que Lula fazia lobby em favor da Odebrecht e ainda prometia aos chefes de Estado que convenceria a presidente Dilma Rousseff a “ajudar”. Isso aconteceu em Cuba, Venezuela e República Dominicana, para citar alguns exemplos.

Durante o "contrato" de Lula com a Odebrecht, a empreiteira recebeu US$ 7,4 bilhões em financiamentos do BNDES por meio de 52 contratos no exterior. Durante esse tempo, a construtora pagou R$ 4 milhões à L.I.L.S., empresa de Lula, além de bancar despesas no valor de US$ 1,2 milhão e mais de 40 mil fretamento de aeronaves, carros e hospedagens. Análise do MPF verificou que o BNDES leva em média 488 dias para aprovar um processo de financiamento de obra no exterior, mas 17 das 30 transações da Odebrecht periciadas ficaram abaixo do prazo. A obra do porto de Mariel em Cuba levou pouco mais de um terço desse tempo (176 dias).

Ajuda bilionária

Uma das atuações mais rentáveis do ex-presidente petista foi junto à Venezuela, durante a presidência de Hugo Chávez. O BNDES liberou US$ 747,1 milhões em 2009 para a Odebrecht construir duas linhas de metrô na Venezuela, mas os pagamentos antecipados não correspondiam ao avanço do projeto, algo fora dos padrões de financiamentos do BNDES. Em meados de 2011, as dívidas do governo venezuelano com a Odebrecht chegavam a US$ 1 bilhão e, como num passe de mágica, Lula teve uma "palestra" contratada pela empreiteira a ser realizada na Venezuela e a dívida foi quitada.
Proxima Anterior Inicio