EM DESTAQUE

Comissária sobrevivente defende piloto: "Morreu como herói"

A comissária de bordo sobrevivente do voo com o time da Chapecoense, Ximena Suárez Otterburg saiu em defesa do piloto Miguel Quiroga, que ...

Rádio Online

sexta-feira, 25 de março de 2016

Consultoria britânica aponta renúncia como melhor saída

DP-Uma eventual renúncia da presidente Dilma Rousseff ofereceria a melhor oportunidade para que o Brasil conseguisse aprovar reformas estruturais essenciais para recuperar a economia, segundo análise da consultoria britânica Oxford Economcis. "Esse seria o passo menos traumático para a economia brasileira", diz relatório assinado pelo diretor de pesquisa para a América Latina, Marcos Casarin.

A consultoria afirma que a presidente tem um índice de aprovação popular muito baixo e está se tornando cada vez mais isolada, ao perder o apoio de partidos da base aliada. Isso sem contar o processo de impeachment decorrente das chamadas "pedaladas fiscais", que seriam um desrespeito à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

"Neste cenário, nós acreditamos que a presidente deveria renunciar - em vez de manter sua estratégia de distribuir cargos no governo para membros da coalizão (o que enfraquece sua liderança ainda mais) em troca de votos contra seu impeachment no Congresso", afirma o texto.

A Oxford comenta que Dilma já não comanda mais o País, pois não tem nem mesmo o apoio do PT, em especial na área econômica, ou do PMDB, que está dividido sobre o suporte ao governo. "Assim, mais três anos de impasse impediriam qualquer chance de uma retomada da agenda de reformas antes de 2019". A consultoria diz que a renúncia é melhor do que o impeachment porque este processo no Congresso pode levar meses, impedindo a discussão sobre temas econômicos essenciais.

 
Publicidade
O analista acredita que um eventual governo Michel Temer teria mais chance de aprovar reformas, especialmente tendo em conta as medidas contidas no programa do PMDB intitulado "Uma ponte para o futuro".

"O PMDB não é um partido baseado em ideologia e tradicionalmente não aponta candidato próprio para a presidência. Assim, não necessariamente governaria olhando as próximas eleições e poderia, pelo menos em teoria, dirigir o País de maneira mais pragmática", destaca o relatório, afirmando que este cenário seria similar ao que aconteceu com Itamar Franco - que assumiu a presidência após o impeachment de Fernando Collor.

Mesmo assim, a Oxford Economics lembra que a mudança de governo não seria uma panaceia e provavelmente não seria suficiente para impulsionar a recuperação da economia e dos preços dos ativos domésticos. Assim, logo que o novo governo assumisse seria preciso focar na agenda de reformas.
"Quanto mais tempo o Brasil levar para reformar a Previdência, as leis trabalhistas e o sistema tributário, mais tempo a economia permanecerá presa no atual 'equilíbrio ruim' de queda da produção e maior prêmio de risco".(AE)

Proxima Anterior Inicio