EM DESTAQUE

Comissária sobrevivente defende piloto: "Morreu como herói"

A comissária de bordo sobrevivente do voo com o time da Chapecoense, Ximena Suárez Otterburg saiu em defesa do piloto Miguel Quiroga, que ...

Rádio Online

sexta-feira, 18 de março de 2016

Maioria da bancada federal da PB quer a saída de Dilma do governo

JP-A formação da comissão especial do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) na Câmara dos Deputados fez com que a bancada federal da Paraíba revisasse o posicionamento a respeito do processo que pode pôr fim a 13 anos do governo petista. Dos 12 deputados federais da Paraíba, seis já anteciparam o voto favorável ao impeachment. No Senado, os três representantes – Cássio Cunha Lima (PSDB), José Maranhão (PMDB) e Raimundo Lira (PMDB) – sinalizam posição pró-impeachment. 

A tendência do PMDB de romper com o governo Dilma, de olho na possível ascensão do vice-presidente, Michel Temer (PMDB) ao cargo, motivou a mudança de opinião dos peemedebistas, que têm cinco representantes no Congresso Nacional – dois senadores e três deputados. Presidente estadual do PMDB, o senador José Maranhão revelou ontem ser favorável ao impeachment. Já o senador Raimundo Lira se posicionou favorável às manifestações contra o governo petista no último domingo e deve seguir a orientação do partido. 

Da ala peemedebista ligada ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), um dos maiores interessados na saída da presidente, os deputados Hugo Motta e Manoel Junior também devem seguir pró-impeachment. Já Veneziano (PMDB) tem adotado postura mais cautelosa. “Vamos esperar a apresentação dos relatórios finais da comissão do impeachment para que firme o seu posicionamento, mas não terei dificuldade, convencendo-me da tese da denúncia, votar favorável ao impeachment”, disse. 

MEIO ALIADOS

Mesmo parlamentares de partidos da base aliada da presidente Dilma não estão convictos sobre a matéria. É o caso de Damião Feliciano (PDT) e Rômulo Gouveia (PSD), que devem aguardar os desdobramentos para tomar um posicionamento. “Se no decorrer dos trabalhos (da comissão) for constatado que a presidente Dilma poderia ter alguma coisa que a indiciasse é diferente, votarei a favor, mas até agora não tem nada que se prove”, afirmou Feliciano. 

Já Rômulo Gouveia espera a deliberação partidária. “Diante desses fatos, obviamente vamos ter uma posição, principalmente no decorrer. O primeiro passo demos hoje (ontem) com as indicações”, justificou. 

Único petista na bancada paraibana na Câmara, o deputado Luiz Couto (PT) é um dos poucos governistas convictos contra o impeachment. Ele é acompanhado apenas do deputado Aguinaldo Ribeiro (PP), que foi ministro das Cidades no primeiro mandato de Dilma.
Proxima Anterior Inicio