EM DESTAQUE

Incêndio entre Junco do Seridó e Assunção é considerado o maior desastre ambiental da região do seridó e cariri

Entre Junco do Seridó e Assunção, a mata está sendo destruída há vários dias por conta de um incêndio incontido pelos bombeiros. O fo...

Rádio Online

quinta-feira, 3 de março de 2016

Mais Corrupção: PETISTA REVELA QUE CAMPANHA DE LULA RECEBEU DOAÇÕES ILEGAIS DE SINDICATOS

Suspeito de receber propina de um operador da Petrobras, o ex-gerente de Responsabilidade Social da estatal Armando Tripodi contou que sindicalistas petroleiros da Bahia usaram o imposto sindical na campanha de Lula para a presidência da República, em 2002. O ex-gerente revelou uma grave ilegalidade: a legislação eleitoral proíbe que sindicatos e entidades de classe financiem campanhas eleitorais. e a prestação de contas da campanha de Lula naquele ano omite a doação ilegal.

Ele fez essas revelações ao site institucional “Memria Petrobras”, que a Petrobras havia retirado do ar porque vários dos seus personagens, ex-dirigentes da empresa, tornaram-se réus e até presos na Operação Lava Jato. Tripodi suspeito de receber propina de um operador da Petrobras por meio da reforma de um apartamento, segundo a Polcia Federal.

O depoimento de Tripodi ao “Memória Petrobras” desapareceu do site no dia seguinte à Operação Acarajé, da PF, e reapareceu após o fato ter sido revelado pela coluna do jornalista Cláudio Humberto, no Diário do Poder, motivando o interesse de outros veículos de imprensa no assunto.
Alvo de condução coercitiva na 23ª fase da Lava Lavo, a Operação Acarajé, o petista que virou gerente da Petrobras revelou os detalhes da irregularidade: “Montamos um comitê no sindicato. Aprovamos na assembleia uma contribuição. A categoria aprovou todo imposto sindical da categoria ser destinado campanha de Lula”, disse Tripodi, recordando a participação do Sindicato dos Qumicos e Petroleiros da Bahia na eleição.

Conhecido como Bacalhau, a Tripodi contou tambem que o imposto sindical foi um “recurso fantástico” usado em comunicação e aluguel de veículos para a campanha. “Montamos uma lojinha, fizemos todo um trabalho de mandar matéria para o interior, montar carro, alugamos carro”, afirmou o ex-gerente da Petrobras.



Ele lembra que na campanha presidencial anterior, em 1998, conseguiu doação para a compra de um carro de som, “quase um contingent eltrico”, que depois teria sido doado ao PT. (DP)
Proxima Anterior Inicio