EM DESTAQUE

Conselheiro do TCE elogia processo de transição em Juazeirinho

O prefeito Jonilton Fernandes esteve em João Pessoa essa semana em reunião com o Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado - TCE - Dout...

Rádio Online

terça-feira, 8 de março de 2016

Mutirão com vários médicos atende mais de 200 livramentenses neste sábado

De iniciativa do médico Dr. Adriano Sérgio e com total apoio da prefeita Carmelita Ventura, um mutirão atraiu dezenas de livramentenses neste último sábado (05) em frente à Secretaria de Saúde do município com atendimento gratuito e especializado na área de otorrinolaringologia. Uma unidade móvel se instalou na cidade e com 5 médicos em atendimento simultâneo, a população pôde realizar consultas, receber medicamentos e requisições que são oferecidos apenas em grandes centros, como na cidade de Campina Grande.

O ônibus da otorrinolaringologia percorre diversos bairros de João Pessoa e Livramento foi uma das duas cidades do interior que primeiro recebeu a visita dos profissionais. O atendimento começou por volta das 9hrs e ao longo de todo o dia 262 livramentenses foram assistidos.

A ideia, segundo o médico Dr. Adiano Sérgio, é levar dignidade e saúde preventiva para as populações mais carentes e que muitas vezes sofrem para terem acesso aos atendimentos de otorrino. Para ele, “É intenção de sua clínica ampliar esse atendimento pelo interior do Estado e um prazer liderar um trabalho social de tamanha envergadura”. Dr. Sério agradeceu o apoio da prefeita Carmelita Ventura, que não mediu esforços para incentivar a vinda da equipe médica.

A prefeita Carmelita visitou o mutirão e agradeceu ao Dr. Sérgio pela disponibilidade de oferecer um serviço tão importante sem custos para o município. “Estamos avançando na saúde e nossa meta é atender cada vez melhor ao nosso povo”, pontuou.

A livramentenses dona Maria do Socorro Cosme achou muito interessante a iniciativa e lembrou que atendimentos com otorrinos só são possíveis em grandes centros. “Tivemos acesso a médicos especialistas que precisaríamos enfrentar fila de espera para sermos atendidos longe de casa ou teríamos que pagar caro por esse serviço”.

Foto: Felipe Diniz
ascom
Proxima Anterior Inicio