EM DESTAQUE

Incêndio entre Junco do Seridó e Assunção é considerado o maior desastre ambiental da região do seridó e cariri

Entre Junco do Seridó e Assunção, a mata está sendo destruída há vários dias por conta de um incêndio incontido pelos bombeiros. O fo...

Rádio Online

quinta-feira, 17 de março de 2016

O celular do grampo também era de um amigo, Lula não tem telefone.

O ex-presidente Lula de fato não tinha celular próprio. Seu segurança, Valmir Moraes da Silva, que o acompanha há mais de dez anos, é quem lhe cedia o aparelho toda vez que precisava contatar alguém. O celular, contudo, também não era oficialmente de seu auxiliar. Estava registrado no nome de um laranja. É por isso, segundo a Lava-Jato, que o ex-presidente falava tão livremente ao telefone, mesmo sabendo que todos os seus passos estavam sendo monitorados.

Em conversa com o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), no dia 2 de março deste ano, Lula debocha: “Estou falando nesse telefone, porque quero ver se a Polícia Federal estar gravando (risadas). Quero ver se está grampeado”.

Segundo investigadores, Moro aguardava a nomeação de Lula para dar publicidade aos documentos. Já havia autorizado, na tarde de quarta, a divulgação quando o alertaram: o celular grampeado acabara de receber uma ligação. Era do Planalto.

Até então o diálogo que compromete Dilma não constava dos grampos. O juiz autorizou que a documentação fosse atualizada. A conversa na qual a presidente diz a Lula que ele receberá o termo de posse, assim, passou a constar nos autos.

A aparição de Dilma no grampo surpreendeu até os investigadores mais veteranos: “Presidente da República não liga para tratar de assunto delicado. Manda emissário”, disse um deles após ouvir a conversa entre a petista e Lula.

Aos olhos da Lava-Jato, o juiz Sergio Moro agiu no momento certo: se esperasse até amanhã, após Lula ter tomar posse como chefe da Casa Civil, não poderia tornar público os grampos telefônicos comprometedores.

Fonte: Folha de S.Paulo
Créditos: Natuza Nery
Proxima Anterior Inicio