EM DESTAQUE

Conselheiro do TCE elogia processo de transição em Juazeirinho

O prefeito Jonilton Fernandes esteve em João Pessoa essa semana em reunião com o Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado - TCE - Dout...

Rádio Online

segunda-feira, 14 de março de 2016

Rodrigo Janot negociou fim da Lava Jato: aceitava 1 bilhão para encerrar a questão

O Brasil amanhece perplexo, sem acreditar na reportagem publicada no jornal o Globo deste domingo, 13 de março, assinada pelo jornalista THIAGO HERDY. Nela, está ESCRITO que Rodrigo Janot, Procurador Geral da República, participou de reuniões com advogados que defendiam empreiteiros e teria encaminhado um acordo para “melar” a Lava Jato.

Márcio Thomás Bastos foi o mentor e articulador do acordo sinistro. Rodrigo Janot terá de explicar ao Brasil e seus colegas da Procuradoria a seguinte afirmação: ““Se arrecadar R$ 1 bilhão para fazer dez penitenciárias, estou satisfeito”, teria dito Rodrigo Janot a Bastos, segundo relato do advogado José Francisco Grossi, testemunha do encontro dos dois. Duas fontes próximas a Bastos também confirmaram o valor.

Relata o jornal: Seis meses após o início da Operação Lava-Jato, em setembro de 2014 advogados das maiores empreiteiras brasileiras sentaram-se à mesa do ex-ministro da Justiça e advogado Márcio Thomaz Bastos para ouvir o seu diagnóstico: era melhor que todos fizessem um grande acordo para tentar encerrar as investigações. O preço era assumir a culpa em atos de corrupção envolvendo a Petrobras e pagar uma indenização a ser rateada entre as empresas. Algo estimado, na época, em R$ 1 bilhão, valor que teria sido surgido a partir de conversas de Bastos com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
A proposta foi recusada. Dois meses depois, a Polícia Federal começou a prender executivos de empresas como Camargo Corrêa, OAS, Engevix e UTC.

Segundo os advogados que participaram das conversas, a oposição mais contundente veio das empresas Odebrecht, OAS e Engevix. Bastos, ex-ministro do governo Lula, mirava o futuro pelo espelho do retrovisor. Primeiro, conhecia o rigor do juiz da 13ª Vara Federal em Curitiba, Sérgio Moro, de outros carnavais — principalmente em processos que envolviam lavagem de dinheiro e corrupção.

Fonte: O GLOBO
Créditos: O GLOBO
Proxima Anterior Inicio