EM DESTAQUE

JUAZEIRINHO: GOVERNO AVANÇA NA SEGURANÇA HÍDRICA E MANTÉM RITMO FORTE DE TRABALHO

Programa Água Doce na Barra  O governo da cidade de Juazeirinho avança como se não fosse terminar em 31 de dezembro. O ritmo de trabalh...

Rádio Online

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Classes C e D estão distantes do debate sobre o golpe, mas Lula pode ajudar

As classes C e D enxergam a discussão sobre o impeachment da presidenta Dilma Rousseff como uma disputa de poder, uma briga da elite, avalia o presidente do Instituto Data Popular, Renato Meirelles.

"As classes C e D são muito menos presentes nas passeatas do que são na população brasileira", ressalta o especialista sobre a renda e a escolaridade dos que participam dos protestos contra e pró-impeachment. "Isso acontece porque ela acha que essa é uma briga da elite. Ela não vê as pautas que realmente interessam presentes nessa manifestação", disse Meirelles em entrevista à Agência Brasil.

Essa parte da sociedade está mais interessada, de acordo com Meirelles, em temas concretos, como a melhoria do acesso à universidade ou da qualidade do sistema público de saúde. "Se algum dos dois lados quiser de fato ganhar a classe C, que hoje corresponde a 54% do eleitorado brasileiro, vai ter que quebrar um pouco a cabeça para mostrar que o que está em discussão vai além do debate da corrupção", destacou.

Levantamento do Instituto Data Popular, feito no início do ano, indicou que 71% dos brasileiros acreditam que os opositores à presidenta Dilma agem por interesses próprios. Além disso, 92% concordam com a afirmação "Todo político é ladrão".

As acusações de que um eventual impeachment da presidenta Dilma se trata de um golpe não têm, na análise do presidente do Data Popular, impacto significativo sobre essa parcela da sociedade.

"A narrativa sobre um eventual golpe é para uma parcela mais intelectualizada da população brasileira, para uma elite jurídica. Quando nós vamos ver na classe C e D que, em geral, é muito mais jovem do que a média da população. Eles não sabem o que foi o golpe militar e o impacto que isso teve no Brasil. Eles não entendem a discussão do golpe", afirmou.

"O discurso sobre o golpe é muito eficiente para uma determinada parcela dos ditos formadores de opinião, mas diz pouca coisa para as classes C e D, que são a grande maioria dos eleitores brasileiros", destacou Meirelles.

Presença de Lula
Na avaliação de Meirelles, a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode fortalecer o governo. "A presença do presidente Lula no governo Dilma ajuda a relembrar para a maior parte da população qual é o projeto deste governo", disse.

O ex-presidente foi nomeado como ministro-chefe da Casa Civil, porém, a indicação foi contestada e o Supremo Tribunal Federal vai julgar se ele pode assumir o cargo.

De acordo com o especialista, a presença de Lula no governo fortalece a articulação política. "Como a presidente Dilma tem uma popularidade baixa e não pode ser candidata à reeleição, ela tinha pouco a oferecer como perspectiva de poder para a base aliada. Hoje, caso o presidente Lula consiga assumir o ministério, ele consegue, de alguma forma, oferecer uma perspectiva de poder aos aliados", analisou.

Pesquisa divulgada no último sábado pelo Instituto Data Folha aponta Lula como um dos favoritos na corrida para as eleições presidenciais de 2018, disputando a liderança com a ex-senadora Marina Silva (Rede).

Para Meirelles, a ausência de Lula do debate político nos últimos anos fez com que o ex-presidente perdesse força. "Acontece que o presidente Lula passou cinco anos sem aparecer, sem falar e sem se posicionar como um projeto de país que criou oportunidades para a população de menor renda do país. É como se o presidente Lula fosse uma poupança da defesa da imagem de um projeto de país que, em cinco anos, só sacou o dinheiro e não fez nenhum depósito", comparou. "Isso fez com que boa parte da população se sentisse órfã de uma liderança que a defendesse", acrescentou.

Na avaliação do especialista, os resultados dos dois mandatos à frente da Presidência ainda concedem um capital político considerável a Lula. "Neste momento de total descrédito sobre quem pode tirar o Brasil da crise, ele é um dos poucos brasileiros capazes de dizer que enfrentou e venceu uma crise econômica como a gente vive hoje."

Fonte: O Cafezinho 
Proxima Anterior Inicio