EM DESTAQUE

Comissária sobrevivente defende piloto: "Morreu como herói"

A comissária de bordo sobrevivente do voo com o time da Chapecoense, Ximena Suárez Otterburg saiu em defesa do piloto Miguel Quiroga, que ...

Rádio Online

terça-feira, 2 de agosto de 2016

VEJA VÍDEO – Candidato a prefeito causa polêmica na internet ao incentivar o uso de armas pela população

Pré-candidato à prefeitura de Goiânia, em Goiás, o deputado estadual Major Araújo (PRP) criou polêmica em uma rede social ao publicar um vídeo no qual propõe à população a aprovação de uma “bolsa arma”, que prevê subsídios para o cidadão se armar e se tornar um “voluntário da segurança da capital”. A prefeitura iria subsidiar a compra do equipamento.

“Esta arma [uma pistola calibre 40] pode salvar a sua vida. E nós queremos propor no município o bolsa arma municipal. Mas eu preciso ouvir a sua opinião. Propaga-se por aí que o acesso às armas, ele é ilegal, impossível. Isso é mentira. A lei garante a qualquer cidadão o porte legal de sua arma, desde que preenchido alguns requisitos. Nós não queremos violar a lei. Mas nós queremos propor que o cidadão tenha o direito de se defender também”, explica Araújo, no vídeo.

Ainda na gravação, o candidato explica: “Hoje, se você for abordado por um bandido só tem uma hipótese: é você padecer na mão dele. Nós queremos uma segunda hipótese: que você possa também se defender. Nós estamos propondo o bolsa arma municipal”.

A proposta do major diz que para o cidadão ter acesso à arma, ele terá que atender pré-requisitos como exame psicotécnico, psiquiátrico, certidões de antecedentes criminais e treinamento para manuseio da arma e prática de tiro, além de um cadastro municipal.

Para o político, a bolsa arma é uma “estratégia de defesa” para o morador de Goiânia. “Alguma coisa precisa ser feita. A capital é violenta. O poder público estadual nos abandonou. O municipal não tem feito o que está ao seu alcance”, diz major Araújo, na gravação.

Por fim, o major acrescenta: “Evidentemente que a Prefeitura cobraria uma contrapartida do cidadão. Essa contrapartida seria você, que recebesse sua arma e todo o treinamento e facilitação ao acesso à arma, você fizesse parte de um cadastro de pessoas voluntárias, que participariam do combate à violência em nossa capital”, diz o político, que classifica, no final do vídeo, o beneficiado pelo programa como um “voluntário da segurança da capital”.

No Facebook, onde o vídeo foi publicado, a proposta dividiu opiniões. Enquanto houve quem apoiasse a ideia, outros criticaram a atitude do Major.


Proxima Anterior Inicio