EM DESTAQUE

Incêndio entre Junco do Seridó e Assunção é considerado o maior desastre ambiental da região do seridó e cariri

Entre Junco do Seridó e Assunção, a mata está sendo destruída há vários dias por conta de um incêndio incontido pelos bombeiros. O fo...

Rádio Online

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

PB tem 54 cidades em colapso no abastecimento, 87 estão sob racionamento e 11 em alerta

Números são da Aesa; dos 125 açudes monitorados pela Agência, 53 estão em situação crítica, com menos de 5% dos seus volumes totais de armazenamento...

Na Paraíba, o abastecimento de água em 54 municípios já entrou em colapso. Ou seja, nessas localidades não têm água nas torneiras e suas populações estão dependendo exclusivamente de carros pipas. Outros 87 municípios enfrentam racionamento, chegando a mais de três dias por semana sem água. Ainda existem 11 em situação de alerta. 

Os números são da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa). Dos 125 açudes monitorados pela Agência, 53 estão em situação crítica, com menos de 5% dos seus volumes totais de armazenamento.

O presidente da Aesa, João Fernandes, informou que o ministro da Integração, Hélder Barbalho, garantiu a conclusão do caminho da água da Transposição do São Francisco, pelo Eixo Leste (que desemboca em Monteiro), até o fim do ano. Segundo ele, todas as obras de saneamento sob a responsabilidade do governo do Estado estão dentro do cronograma e serão concluídas no prazo previsto. 

João Fernandes foi o entrevistado do programa '27 Segundos' da RCTV (canal por assinatura do Sistema Correio) nesta quarta-feira (19), ao lado do procurador geral de Justiça, Francisco Sagres. Ambos participaram da audiência com o ministro da Integração na segunda-feira (16). Segundo Fernandes, uma filmagem de todas as obras, de Monteiro a Campina Grande, foi entregue ao ministério da Integração. "Em alguns trechos há obras de responsabilidade do Governo Federal. Não vamos dar a liberdade a ninguém de que a água chegue a Monteiro e não esteja em Campina num prazo de 30 a 40 idas", argumentou. 


O presidente da Aesa disse que a preocupação em Monteiro é com as obras de esgotamento sanitário da Prefeitura. O mesmo acontece no município vizinho de Sumé. "Metade da cidade já tem estação de tratamento de esgoto, mas outra metade despeja indevidamente. O ministro diz que a água tem prazo para chegar, mas pode ser barrada se essas obras não estiverem concluídas", afirmou.

Portal Correio 
Proxima Anterior Inicio