EM DESTAQUE

JUAZEIRINHO: GOVERNO AVANÇA NA SEGURANÇA HÍDRICA E MANTÉM RITMO FORTE DE TRABALHO

Programa Água Doce na Barra  O governo da cidade de Juazeirinho avança como se não fosse terminar em 31 de dezembro. O ritmo de trabalh...

Rádio Online

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Suspeito de pistolagem e tráfico vota algemado e é eleito vereador na PB

As eleições de 2016, na Paraíba, foram cheias de peculiaridades. Uma delas, com certeza, foi a eleição de Bira Rocha (PPS) para o cargo de vereador em Catolé do Rocha, no Sertão, com 948 votos. Curiosamente, ele se encontra preso preventivamente e, para ser diplomado, vai precisar novamente ser escoltado pela polícia, a exemplo do que ocorreu neste domingo (2), quando foi votar. Bira Rocha está preso desde maio e a lista de acusações contra ele vai de pistolagem, tráfico de drogas a violência doméstica. Na hora de seguir para a seção eleitoral, ele foi aplaudido e fez o “V” da vitória para os eleitores. Tudo isso algemado. Confira:



Quando Bira Rocha entrou na campanha, ele estava no Presídio PB 1, em João Pessoa, mas conseguiu transferência para a Cadeia Pública de Catolé do Rocha, seu domicílio eleitoral. Como não tem condenação contra si transitada em julgado, ele pôde ser votado, poderá ser diplomado e, se estiver livre, assumir o cargo. São as peculiaridades da nossa legislação. Durante a campanha, o então postulante usou como jingle uma adaptação da música “Metralhadora”, da baiana Banda Vingadora. E não apenas isso, a “canção” é encerrada com uma rajada de balas.

Prisão

Bira Rocha foi preso em uma agência bancária de Mangabeira, em João Pessoa, pelo Grupo de Operações Especiais (GOE). Além de homicídio qualificado, ele responde por violência doméstica, enquadrado na Lei Maria da Penha. Na época da prisão, em maio deste ano, o delegado Allan Terruel explicou que Bira Rocha estava sendo preso porque havia deixado a cidade de Catolé do Rocha, onde responde pelos crimes atribuídos a ele. A ficha do postulante traz várias condenações a prisão já transitadas em julgado. “Ele fugiu do Sertão para tentar evitar ser localizado pela Polícia e já tinha dito que não seria preso e não aceitaria ser processado, se deslocando para a capital”, disse, na época, Terruel.
Proxima Anterior Inicio