EM DESTAQUE

Incêndio entre Junco do Seridó e Assunção é considerado o maior desastre ambiental da região do seridó e cariri

Entre Junco do Seridó e Assunção, a mata está sendo destruída há vários dias por conta de um incêndio incontido pelos bombeiros. O fo...

Rádio Online

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Falta de combustível deve ter sido a causa da queda do avião que transportava o tima da Chapecoense

Gustavo Vargas, diretor da empresa aérea LaMia, que transportava a delegação da Chapecoense de Santa Cruz de La Sierra para Medellín, admitiu nesta quarta-feira que o plano inicial era que o avião parasse para fazer um reabastecimento. A falta de combustível é uma das principais hipóteses investigadas para explicar o acidente.

“Ele (o piloto) tomou a decisão de não parar porque pensou que o combustível daria. Trata-se de um piloto de muita experiência, que fez seu treinamento na Suíça”, disse Vargas, em entrevista ao jornal Página Sete, de La Paz (Bolívia).

 Segundo o executivo, o planejamento inicial estabelecia uma parada para reabastecer em Cobija (Bolívia), na fronteira com o Brasil. Essa opção, porém foi descartada por falta de tempo, uma vez que o voo que levava a Chapecoense de São Paulo para Santa Cruz de La Sierra atrasou. “Infelizmente não conseguimos repor o combustível em Cobija. Estávamos atrasados e Cobija não trabalha à noite”, disse ele.
Vargas salientou que o piloto da aeronave tinha um plano B aprovado caso o planejamento inicial falhasse. “Nós temos alternativas. Uma destas era Bogotá (Colômbia), e se o piloto viu que tinha uma deficiência de combustível, ele tinha todo o poder para entrar e fazer o reabastecimento”, disse o executivo.

CAPACIDADE – A aeronave RJ85 tem capacidade padrão menor do que o trajeto previsto para ser percorrido pelo modelo que caiu nesta terça-feira. Informações da consultoria em aviação alemã Jacdec, com base na ficha técnica da fabricante, apontam que a distância máxima padrão do RJ85 que pode ser percorrida pelo modelo é de 1.600 milhas marítimas (equivalente a 2.965 quilômetros).

Já a distância direta entre o Aeroporto Internacional Viru-Viru, de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, e o Aeroporto Olaya Herrera, em Medellín, na Colômbia, é de 1.605 milhas marítimas, ou 2.975 quilômetros (em linha reta).

 Estadão 
Proxima Anterior Inicio