quinta-feira, 23 de maio de 2019

Casos de dengue aumentam e população pede socorro

Cerca de 3 mil casos prováveis de dengue já foram notificados este ano na Paraíba, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PB). O número é 20% maior que as notificações registradas em 2018. Segundo a responsável pelo setor de arboviroses do Núcleo de Doenças Transmissíveis Agudas da SES-PB, Fernanda Vieira, a Paraíba está em estado de alerta.

A informação foi apresentada na segunda-feira (20), durante reunião das Promotorias de Justiça de Defesa da Saúde e da Defesa do Patrimônio Social de João Pessoa com diversos órgãos. O objetivo do encontro foi discutir estratégias de combate e prevenção ao mosquito Aedes aegypti.

Conforme o MPPB, a SES-PB informou que já está fazendo uma interlocução com o Conselho Regional de Medicina (CRM-PB) sobre ações e medidas que podem ser adotadas em relação ao problema e disse que vai adotar a mesma medida em relação ao Conselho Regional de Enfermagem (Coren).

Em Solânea, população pede assistência
Uma das localidades que tem sido bastante afetada por casos de dengue é Solânea, Agreste do estado, distante 130 km da Capital. No dia 15 de maio, uma funcionária do Hospital Distrital usou o Facebook para questionar a falta de transparência a respeito do assunto.

“O que nosso município está fazendo pra amenizar os casos de dengue? Orientando a população? Fazendo uma busca ativa nos locais onde a proliferação do mosquito é mais evidente? A população está fazendo sua parte? O carro do fumacê será utilizado? Está sendo notificado os casos já existentes em nosso município? Em nossa cidade já existe casos de óbitos por dengue hemorrágica? São perguntas que precisam de respostas urgentes, pois cada minuto que passa é crucial para que se salve vidas”, questionou.

Dois dias depois, em nova publicação, ela disse que um carro de som estava emitindo alertas sobre os perigos do Aedes aegypti. O recado também convocava a população a verificar se em suas casas haviam focos do mosquito. “Me deixou animada. Só não entendi o porquê de pra se ter um carro fumacê precisam adoecer pessoas primeiro. Mas acho que a propaganda,o chamado em si já é um bom começo”, ponderou ela.

O Portal Correio também recebeu reclamações de usuários do sistema de saúde pública de Solânea. Os leitores denunciaram falta de vagas no hospital, mal atendimento e pouca transparência sobre os métodos utilizados para notificar a doença. Leia alguns relatos:

A menina da minha cunhada está com dengue, fez a sorologia e quinta-feira foi ao hospital. Uma técnica de lá disse que não era dengue, que o hospital estava lotado e que levasse para a UPA em Guarabira..

Soro na veia. Ela disse que eu comprasse soro e pedisse a alguém do postinho [de saúde] para aplicar. Que eu tomasse em casa.

A agente de saúde pediu o exame de meu filho, que foi feito particular, para tirar xerox e levar para a Secretaria. É assim que vai ser feita a notificação. Mas não se pode fazer notificação de dengue dessa forma, sem ver o paciente. Tem que ter todos os dados do primeiros sintomas, pelo o que o paciente passou, se ficou internado. Eu queria entender o que Solânea está fazendo.

Hospital confirma aumento em demanda
A redação ouviu a coordenadora de Enfermagem do Hospital de Solânea, Aleksandra Ferreira, que confirmou o aumento na demanda de pacientes. A profissional, no entanto, não reportou que pacientes estejam deixando de ser atendidos por falta de espaço na unidade.

“Há uns três meses temos notado um aumento na procura por atendimento. Muitas vezes, o pessoal já chega até com o exame de sorologia [que confirma a dengue] realizado. Quando percebemos que a situação exige um pouco mais de atenção, o paciente fica internado. Mas a maioria tem condições de ser liberada para se recuperar em casa”, disse.

O que diz a Secretaria da Saúde
Procurada pelo Portal Correio, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) não comentou as denúncias de falta de vagas no hospital de Solânea. Porém, em nota, explicou por que muitas vezes os ‘carros fumacê’ não são utilizados – ou demoram para circular em áreas com grande incidência de dengue. A secretaria negou que o serviço seja burocratizado e alegou o uso de inseticida não é o melhor método de combate ao Aedes aegypti.

“O inseticida tem sua eficácia e segurança normatizada por procedimentos já padrões e que segue um protocolo do Ministério da Saúde para utilização que vai de acordo com casos, índice e/ou óbitos. Quando normatizamos não burocratizamos, e sim elencamos prioridades já que a utilização do mesmo não é primeira escolha de controle do mosquito. O trabalho dos ACE [agentes de controle de endemias] diariamente é que comprovadamente auxilia na diminuição dos índices de infestação larvária evitando a fase adulta do mosquito”, diz o comunicado.

Risco à saúde pública
O infectologista Jaime Araújo explica que o aumento nos casos de dengue é comum nessa época do ano. Médico no Hospital Universitário Alcides Carneiro, em Campina Grande, ele aponta que o atendimento a pessoas com sintomas de dengue tem sido maior também em unidades de emergência, como UPA e Hospital de Trauma.

“A dengue, apesar de habitualmente não deixar sequelas, pode causar sérios prejuízos para a saúde pública devido ao aumento do custo do sistema de saúde com o combate de doenças que podem ser evitadas. Além de prejuízos para o sistema econômico, devido afastamento temporário dessas pessoas doentes de suas atividades laborais”, avalia o médico.

Dengue não é única ameaça
Agente transmissor da dengue, o mosquito Aedes aegypti é responsável também pela transmissão da zika e chikungunya. Jaime Araújo explica a diferença entre as três doenças:

“A dengue é a doença mais grave quando comparada à chikungunya e à zika. Tem sintomas como febre, dores no corpo, cabeça e nos olhos, falta de ar, manchas na pele e indisposição. Em casos mais graves, a dengue pode provocar hemorragias, que, por sua vez, podem ocasionar óbito. A chikungunya também causa febre e dores no corpo, mas as dores concentram-se principalmente nas articulações e podem continuar por meses. Na dengue, as dores são, predominantemente, musculares. Já a zika é a doença que causa os sintomas mais leves. Pacientes com essa enfermidade apresentam febre mais baixa que a da dengue e chikungunya, olhos avermelhados e coceira característica. Em virtude desses sintomas, muitas vezes a doença é confundida com alergia. Normalmente a zika não causa morte e os sintomas não duram mais que sete dias”, diz.
Share:

Balanço Geral - Correio FM 98.1

Confira os principais destaques do dia!

Escute reportagem especial

Curta nosso trabalho no facebook

Mais notícias