Família acusa hospital de deixar material cirúrgico dentro de mulher após parto, na PB

A família de uma paciente da Maternidade Cândida Vargas, em João Pessoa, acusa que materiais cirúrgicos tenham sido esquecidos dentro de uma mulher após a realização de um parto cesariano na unidade de saúde. A família da paciente, identificada como Kellyane Neri, de 28 anos, disse que foi informada por uma pessoa do hospital que gaze e uma peça metálica foi deixada dentro dela.
O parto aconteceu no dia 11 de setembro. Em seguida, no dia 14 do mesmo mês, a mulher foi para casa e depois de um mês começou a sentir dores na barriga, precisando retornar à maternidade. De acordo com a mãe de Kellyane, Maria das Dores, a filha teve febre e estava sob administração de um antibiótico.

No hospital, conforme conta Maria das Dores, a mulher passou por um exame que detectou a presença de uma bactéria em seu corpo e ela precisou ser internada. "Passou sete dias sendo medicada com um antibiótico e, quando o remédio não deu mais resultado, fizeram uma ultrassom", disse a mãe.
Segundo Maria das Dores, Kellyane passou por duas cirurgias devido a perfurações no intestino grosso e delgado e permanece internada na UTI da Maternidade Cândida Vargas.
O secretário municipal de saúde, Adalberto Fulgêncio, disse à rádio CBN que a secretaria está prestando toda assistência médica, hospitalar e farmacêutica que o caso requer. Ele explicou que após o parto, a mulher retornou à maternidade com dores pélvicas. Foram realizados exames, inclusive de imagem, e a mulher foi submetida a duas cirurgias. Agora, segundo o secretário, o estado de saúde de Kellyane Neri é considerado "muito grave".
A secretaria de saúde, no entanto, não confirma que materiais cirúrgicos foram esquecidos dentro da paciente. Adalberto Fulgêncio ainda explicou que o boletim médico disponível na maternidade com todas as informações sobre o caso está à disposição dos familiares. Uma investigação será aberta pela secretaria em no máximo 48 horas para analisar as circunstâncias do acontecido que deram causa À situação clínica da paciente.
O Conselho Regional de Medicina, por meio do presidente Roberto Magliano, informou que o CRM se solidariza com a família da paciente e que será instaurada uma sindicância para apurar os fatos, ouvindo os responsáveis da maternidade.

G1 Paraíba
00:00/08:00

Reactions