Sessão da Câmara Municipal de Salgadinho

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Trajetórias vão pesar na escolha do eleitor em 2018, prevê Cássio

O vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima (PSDB), considerou, na noite desta segunda-feira (11), que as trajetórias políticas farão a diferença nas eleições 2018. Para ele, esse será o principal debate nas redes sociais.

“Acho que vai prevalecer muito a  trajetória política de cada um. Há uma perplexidade generalizada, mas do que justa”, destacou o tucano em entrevista ao jornalista Heron Cid, no Programa Frente a Frente, da TV Arapuan ao lembrar vários escândalos com políticos na Operação Lava Jato, como o caso do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

Para Cássio Cunha Lima, a situação que tem sido vista no país é de “estarrecer” e votos de protesto em figuras públicas como o palhaço Tiririca é um “recado do eleitor” a classe política.

Abandono da vida pública

Ao comentar o surpreendente anúncio de Tiririca que não disputará novas eleições, Cássio disse que, semelhante ao deputado federal, também já pensou em deixar a política. Entretanto, o tucano não revelou em qual fase da vida pública pensou em tomar  a decisão.

“Eu acho que não tem quem faça política que um dia não pense em parar e não disputar mais eleição. Acho que todo mundo de alguma forma pensa”, afirmou.

Alckmin para presidente

Questionado sobre a eleição do governador de São Paulo para comandar o PSDB,  Cássio considerou que Alckmin será uma opção para as eleições 2018.

Segundo Cássio, o partidário tem capacidade de dialogar com o chamado ‘Centrão’ e por isso  representará o ninho tucano para a Presidência da República.

“Provavelmente  será o nosso candidato a presidente. Uma opção ao Centro nesse momento em que o Brasil parte para uma radicalização”, destacou.

Crítica a Lula e ao PT

Cássio não poupou críticas ao ex-presidente Lula e ao Partidos dos Trabalhadores. De acordo com o tucano, o PT se transformou em uma “seita” que tem como única “tábua de salvação”  uma candidatura de Lula.

“Se tirar a candidatura de Lula não existe quem o substitua a altura”, pontuou.

Reaproximação com o governo

O ex-governador foi abordado sobre tese levantada pelo colega de partido Marcos Vinicius, presidente da Câmara de Vereadores, de uma aproximação com o grupo do governador Ricardo Coutinho (PSB).

Segundo Cássio, isso não seria possível porque a oposição no momento tem o papel de reunir seguimentos que estão descontentes com a atual gestão.

Roberto Targino – MaisPB
Share:

Chamada Escolar

Chamada Escolar

Curta nosso trabalho no facebook

Mais notícias