Coronavírus: "Não dá para ir além do que estamos fazendo", diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse hoje que ele e sua equipe ministerial estão trabalhando "há semanas" para minimizar os efeitos do novo coronavírus no país, destacando que não há como ir além do que já está sendo feito.

"Estamos fazendo o possível, não dá pra ir além do que estamos fazendo, todos os ministérios têm trabalhado incessantemente", afirmou o presidente aos jornalistas na portaria do Palácio da Alvorada nesta manhã.

O presidente disse que os empregos estão sendo "exterminados" e que o governo não pode levar o pânico à população. "Empregos estão sendo exterminados, em especial aqueles que vivem da informalidade. 
Essas pessoas não têm como sobreviver mais que três, quatro dias sem seu sustento."

"A dose do remédio não pode ser excessiva de modo que o efeito colateral seja mais danoso do que o vírus (...) Não podemos levar o pânico, o pânico é uma doença também, mais grave que a própria causa do vírus", acrescentou. 

Bolsonaro foi questionado ainda sobre a MP (medida provisória) editada pelo governo que autoriza suspensão do contrato de trabalho por até quatro meses. Ele disse que a medida é uma maneira de preservar empregos. 

"Flexibiliza ainda mais a CLT, é uma maneira de preservar empregos, diminui o tempo do aviso prévio, permite que se entre em férias agora, que é melhor que ser demitido, basicamente é por aí essa medida (...) Ninguém está demitindo ninguém", respondeu. 

Novamente, Bolsonaro criticou autoridades que estão "ministrando o remédio em excesso, que leva ao desemprego" e disse que se reunirá hoje, por videoconferência, com governadores das regiões Norte e Nordeste. Ele acrescentou que deverá se reunir com governadores das demais regiões amanhã.

UOL
Reactions